Segue o jogo no rococó

14 ago 2018

Por Mino Pedrosa

A mexida no tabuleiro de xadrez que movimentou a dama Celina Leão (PP-DF), para campanha de Eliana Pedrosa (PROS-DF), foi impedida pelo bispo Rôney Nemer (PP-DF). Os peões trabalharam forte nos bastidores afim de convencer Celina Leão a juntar-se aos seus algozes, responsáveis pela sua derrocada política frente a presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

Nelson Tadeu Filippelli (PP-DF), que sempre conduziu o bispo Nemer, contava com o Partido Progressista, fundamental para sua eleição a uma cadeira na Câmara Federal. Filippelli conta com a dama Celina para somar votos e atingir o coeficiente para um mandato que lhe garanta um foro privilegiado para se defender dos inúmeros processos que estão por vir.

Celina consciente que estava servindo de escada para eleger Tadeu Filippelli buscou o caminho que lhe desse condições de disputar e alcançar o mandato na Câmara Federal. Dentre todos os grupos o que mais facilitava pela nominata era o de Eliana Pedrosa. No entanto, a chegada de Celina provocou em seus algozes a ameaça de debandada.

Rôney Nemer, bispo de Filippelli, não quis bater de frente com o rei Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, mas, insinuou que iria exercer o poder de presidente efetivo do partido em Brasília. Celina relutou mostrando com argumentos que Filippelli estava disposto a usar seus eleitores para buscar um mandato. Nemer insistiu com Celina que cedeu ficando na coligação de Ibaneis Rocha (MDB-DF), mas, condicionando com a ausência em palanques e firmando o enfrentamento a Filippelli. A Dama furiosa disse lutar com lutar com todas as forças para conseguir um mandato e acredita que a coligação pífia de Ibaneis só fará um deputado federal.

Eliana Pedrosa perde a chance de ter o PP, que traria tempo de televisão suficiente para disputar em igualdade com Rogério Rosso (PSD-DF) e Ibaneis Rocha, já que Alberto Fraga (DEM-DF), após lançar candidatura ao Buriti desponta como melhor candidato.

Publicidade

Anuncie Aqui