Mino Pedrosa

Rollemberg: tapando o sol com a peneira

31 jul 2017

O governador Rodrigo Rollemberg anda tapando o sol com a peneira. A prisão de André Gustavo ecoou balançando os arcos do Palácio do Buriti, sede do governo brasiliense.

O publicitário, que mantém estreita relações com Rollemberg, deixou rastros na estatal Terracap e no Banco de Brasília.

Segundo fontes do Ministério Público, o publicitário André Gustavo doou 2,4 milhões não oficiais na campanha do então candidato ao Buriti Rodrigo Rollemberg.

A parceria vem de uma amizade herdada do falecido presidente do PSB Eduardo Campos e atual ministro de Minas e Energia Fernando Bezerra Filho.

A Operação Cobra da Polícia Federal revelou uma tabela com registros de pagamentos recebidos pela agência Arco Propaganda, de André Gustavo Vieira da Silva, acusado de lavagem de dinheiro.

Estão registrados centenas de repasses feitos pela Terracap.  A Arco conseguiu a conta da Estatal no dia 7 de abril de 2015, menos de quatro meses após Rollemberg assumir o Buriti.

A Polícia Federal apreendeu uma planilha que revela pelo menos 30 repasses de valores pequenos totalizando 505 mil num só dia.

Agora, a expectativa é que o juiz Sérgio Moro determine a prorrogação da prisão temporária ou preventiva, já que o Ministério Público encaminhou o pedido de extensão da prisão a André Vieira e o irmão Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior e o ex- presidente da Petrobras Aldemir Bendine,  flagrados repassando 3 milhões em propina para o ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine. As investigações da Lava Jato também jogam André no olho do furacão das negociações do grupo JBS com o BNDES.

Pedido do MP prisão preventiva de Aldemir Bendine e outros…

André Vieira é uma peça chave na engrenagem da corrupção entre o governo do Distrito Federal, BNDES e Grupo JBS.

Outro personagem que vale a pena ressaltar é Lúcio Funaro, doleiro e operador financeiro do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que está elaborando sua delação premiada. Funaro deixou o Complexo Penitenciário da Papuda e permanecer prestando depoimentos nua cela da superintendência da Polícia Federal no DF.

A novidade para os brasilienses está no quinto depoimento, onde o doleiro revela a atuação de Ricardo Leal, ponta de lança nas operações financeiras para o governador Rodrigo Rollemberg.

Não é a primeira vez que aparece o nome de Ricardo Leal no escândalo da corrupção que está abalando o País. Em sua delação, o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, se refere a Ricardo Rollemberg (que seria o Leal) como “contato” para doação ao então candidato Rodrigo Rollemberg. Essa passagem aparece na página 12 da planilha entregue por Saud, sobre repasses financeiros aos partidos.

Planilha com pagamento da Terracap para agência Arcos Publicidade.

A busca e apreensão da Polícia Federal na residência e empresas dos irmãos Vieira, na Operação Cobra, revelou uma estreita relação entre André Gustavo Vieira e o presidente do grupo da JBS, Joesley Batista. Inclusive, a suspeita que a mansão de André Vieira, foi presente do empresário Joesley Batista. André também é proprietário de um luxuoso apartamento em Lisboa.

Os amigos André e Joesley em suas últimas viagens para esquiar no Alpes Suíços, estenderam as relações entre famílias.

Em 2012, Rollemberg perdeu um irmão de nome Ricardo. Na época das eleições, o único Ricardo com quem Rodrigo manteve estreita relação foi o empresário Ricardo Leal, um dos apoiadores destacados pelo político com o objetivo de arrecadar recursos para a campanha.

Em 24 de outubro, dois dias antes do segundo turno das eleições, quando Rollemberg disputava com Jofran Frejat o cargo de governador, a JBS fez um repasse de 450 mil diretamente ao próprio Rodrigo Rollemberg.

Ricardo Leal ocupava o cargo de Chefe do Conselho de Administração do Banco Regional de Brasília, com poderes que se estendiam aos órgãos financeiros do governo do Distrito Federal. Quando seu nome veio à baila por intermédio do delator Ricardo Saud, o conselheiro renunciou ao cargo e se refugiou na Paraíba.

Lista de governadores entregue por delator da JBS ao MPF.

Publicidade

Anuncie Aqui