Mino Pedrosa

Juíza arbitrária: o abuso de autoridade

27 set 2017

O Conselho Nacional de Justiça recebeu na tarde desta quarta-feira (27), um denúncia de abuso de autoridade da juíza Yedda Christina Ching-san Filizzola. Os maus tratos a um cidadão que pedia socorro na Defensoria Pública, recebeu voz de prisão por descumprimento a ordem pública. A denúncia caiu como uma bomba no CNJ que analisa a possibilidade do afastamento sumário da magistrada.

A juíza Yedda Christina Ching-san Filizzola, do Plantão Judiciário do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, deu voz de prisão contra um cidadão negro, na noite da última sexta-feira, dia 22. O suposto crime praticado foi que o cidadão estava na calçada do prédio do Fórum, no Centro do Rio. Para a juíza, ele se encontrava em área de perímetro do Fórum, considerada área de segurança.
O homem,  negro e pobre, é de  Curitiba e queria ajuda financeira para comprar uma passagem de ida para São Paulo. Com esse objetivo, foi ao prédio tentar apoio da Defensoria Pública. Desorientado, ficou perambulando pela calçada e acabou sendo preso.
A defensora publica Mariana Campos de Lima tentou interceder, em vão, contra a prisão e gravou a cena. Insensível, a juíza ainda notificou a Defensoria, proibindo a publicação do vídeo.
Assista ao vídeo:

 

 

Publicidade

Anuncie Aqui