Mino Pedrosa

Exclusivo. Íntegra áudio inédito será usado na defesa de Temer

12 jun 2017

Jurista, constitucionalista, ex-presidente da Câmara dos Deputados, dono de uma bagagem política capaz de fazer inveja a muitos caciques da política nacional. Primeiro mandatário do País, beneficiado que foi com o impeachment de sua companheira de chapa Dilma Rousseff. Este é Michel Temer.

O presidente pode até ter culpa no cartório, nesse lamaçal em que se transformou o Brasil nos últimos tempos. Uma coisa, porém, é certa: Temer foi vítima, sim, de uma cilada no caso da gravação de uma conversa com o empresário Joesley Batista.

Essa absolvição sumária, que Fênix do Planalto assume, é baseada em uma conversa do mesmo Joesley com Rodrigo Rocha Loures, ex-deputado e ex-assessor especial de Temer. O diálogo foi logo após a fatídica gravação no Palácio do Jaburu.

O áudio na íntegra a que tivemos acesso – e cujo texto degravado pela Policia Federal e endossado pelo Ministério Público Federal, apresentado a seguir – mostra com clareza que o dono da JBS esteve na mansão, residência de Loures, no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, com o objetivo de gravar seu anfitrião, a quem considera uma espécie de irmão por afinidade.

Já na chegada de Joesley à casa de Rocha Loures fica clara uma  velha relação de negócios e intimidade familiar. O gravador no bolso do empresário sofre várias interferências, apresentando trechos inaudíveis. Há, porém, a certeza da intenção do empresário em direcionar o diálogo para assunto ligando a Petrobras e o escândalo da Lava Jato.

Rocha Loures demonstra durante a conversa que jamais desconfiaria que estivesse sendo gravado. Nos diálogos, ele tenta cobrar várias vezes de Joesley negócios tratados anteriormente. Mas o empresário desconversa, puxando o confidente para um tema que possa envolver o presidente Michel Temer.

Casa do deputado Rodrigo Rocha Loures

Joesley comenta que adquiriu há cerca de dois anos uma hidrelétrica em Mato Grosso fronteira com a Bolívia, e que o faturamento chega a 1 milhão de reais por dia. “Ele (Temer) pediu para lhe procurar e disse que poderia falar tudo”, sinaliza o empresário. Mais o tudo não foi tratado propina.

Joesley direciona a conversa. A ideia é que Rocha Loures possa interceder junto ao CADE com o argumento de que a Petrobras tem o monopólio de gás Boliviano. Se a JBS conseguisse comprar o gás diretamente da Bolívia, sem intermediação da Petrobras, o lucro poderia chegar a até 4 ou 5 milhões por dia. Havendo vantagens, num período mínimo de 20 anos.

Por vários momentos, Rocha Loures tenta tratar de outros negócios em comum, mas Joesley desconversa, dando preferência ao assunto do gás boliviano. Durante a conversa chega a esposa do deputado. Ela cumprimenta o visitante em tom de intimidade familiar, endossada por Loures, que coloca a mão sob a barriga dela dizendo estar próximo do nascimento da ‘sobrinha’, indicando a boa relação entre os dois, membros de uma mesma irmandade.

Loures se prepara para uma viagem, quando Joesley chegou para a visita. O empresário é atendido na questão do gás, com o deputado telefonando para um dirigente do CADE. Ficou pautada, assim, uma reunião entre advogados da JBS e técnicos do CADE, para serem analisados tecnicamente os pleitos.
Ouçam o áudio na íntegra.

Leia degravação feita pela Polícia Federal e endossada pelo MPF.

 Joesley Batista grava conversa com deputado federal Rodrigo Rocha Loures

Publicidade

Anuncie Aqui